08/07/2013

[Resenha]: Extraordinário

ISBN8580573017
Ano de Lançamento: 2013
Número de páginas: 320
Tradução: Rachel Agavino
Editora: Intrínseca

"Médicos vieram de cidades distantes
só para me ver,
parados ao lado da minha cama
sem acreditar.

Dizem que só posso ser uma das maravilhas
da Criação,
e até onde veem não conseguem
explicar."
- Natalie Merchant, "Wonder"



  Quando seu filho, dentro de uma sorveteria, viu uma criança com o rosto deformado e começou a chorar descontroladamente, a autora R.J. Palacio percebeu que precisava escrever uma história. Algo que mostrasse tanto o lado da pessoa com a deformidade (que não tem culpa por ter nascido assim) quanto o da pessoa que se depara com isso (e que não tem o dever de não se assustar num primeiro momento). "Extraordinário" é um livro sem julgamentos que nos faz refletir e nos colocar em ambos os lados da história.

 August Pullman nasceu com uma deformidade facial e sempre foi visto por todos - exceto por sua família e amigos mais próximos - como uma aberração da natureza. Auggie sempre foi educado em casa, mas agora, aos 10 anos de idade seus pais acham que é o momento certo para o menino começar a frequentar uma escola de verdade. Prestes a iniciar o 5º ano, Auggie é matriculado numa escola particular, no centro de New York, escola esta, maior que todas as outras que sua irmã já estudou e que estava acostumado a ir. 
 Ser aluno novo já é super difícil. Agora imagina: ser novato em uma escola gigante, estando propício a sofrer rejeição apenas por ter um rosto diferente? Mostrar às outras crianças, que apesar de seu exterior é alguém como eles, será o maior desafio do pequeno Auggie.

"A única razão de eu não ser comum é que ninguém além de mim me enxerga dessa forma." (August, página 11) 

  Seus primeiros dias na Beecher Prep, como já se é de esperar, são um tanto quanto complicados. No entanto, para a sua surpresa, uma menina super simpática resolve se aproximar. Esta é Summer, sua fiel escudeira!

"Ri de novo. Ele era tão bem-humorado com relação a si mesmo. Essa era uma das coisas que eu mais gostava no Auggie." (Summer, página 137)

 Apesar do azar de ter nascido diferente de todos ao seu redor, Auggie teve a sorte de nascer na família que nasceu. Seus pais, sua irmã Via e a cadelinha Daisy são incríveis e o amam incondicionalmente.
 Auggie diz a todo momento que o que ele mais queria era ser invisível. Passar por todos os lugares sem ser notado. O que seria algo impossível! Ele jamais passaria despercebido por algum lugar, jamais seria uma pessoa comum ainda que não tivesse qualquer deformidade, pois o pequeno Auggie é uma pessoa iluminada, especial. Ele é verdadeiramente extraordinário!



"Quando tiver que escolher entre estar certo e ser gentil, escolha ser gentil." (Sr. Browne, página 55)



5 comentários:

  1. Eu estou seguindo seu blog como Dal Correa .. pode retribuir seguindo o blog que minha filha escreve ...http://plussizelovers.blogspot.com.br/ e ou curtir a fanpage do blog https://www.facebook.com/BlogPlusSizeLovers?fref=ts grata beijos

    ResponderExcluir
  2. quero tanto ler TT.TT
    mas minha lista já está enorme, isso é triste.
    Vou me adiantar um pouco nessas férias pra ver se compro mais livros depois, daí eu compro ele :3
    Neon Básico

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também estou com uma fila de livros pra ler, Gabi! D:

      Excluir
  3. Oi! *-*
    Adorei seu blog, cada detalhe é lindíssimo, parabéns!! Vou acompanhar sempre, rs

    Tenho um blog também, se quiser dá uma olhada depois?
    Se puder curtir a fanpage ficarei feliz!

    Obrigada!
    Thais

    ResponderExcluir
  4. Comecei a ler esse livro mas não gostei. Acho a ideia, e a história muito boa,é um tema bem interessante a se tratar, porém não gostei do jeito que ele é escrito, talvez porque é um livro 'teen', e quando eu comprei não sabia disso.
    É um tema denso, porém a forma que é escrita não é densa, mas acho que mesmo assim vou terminar de ler.

    Beijos
    http://enjoyyourcoffee.com.br

    ResponderExcluir

 

criado e codificado para o blog ficcionalmente real
cópia proibida © 2015