16/10/2013

Era outra vez...



Eu, você e o coração mais burro que já vi. Nem preciso dizer o de quem. Eu sempre saio perdendo quando o nome do jogo é “amor”. Ô coração, por que não se poupa um pouco? Já senti isso antes e você também. Nem parece que saiu coberto de curativos! Ou já esqueceu? E não faz tanto tempo assim, pra você se arriscar outra vez. Em vez de arriscar, risca! Sim, risca da sua lista de prioridades qualquer coisa parecida com isso. Isso o que? Ah, não se faça de bobo! Você sabe, essa história de se apaixonar.
 Parece a mesma história, só que dessa vez com uma estrada infinita entre eu e ele. Parece a mesma história, só que dessa vez com uma dose gigantesca de aceitação. Será que me acostumei a sofrer? Talvez já esteja anestesiada.
 Já recapitulei página por página, mas não encontro o capítulo em que me deixei levar outra vez! Devia ter ficado mais atenta. Com um coração tão mole como o meu, preciso trabalhar mais meu lado razão. Agora estou aqui, soterrada de perguntas que nem eu, nem ele sabemos responder.

 As diferenças me afastam cada vez mais de alguém que pouco me aproximei. Milhões de motivos impedem que eu me aproxime. Apenas um me faz acreditar nesse sentimento tão louco. Você. Essa é a minha maior indagação: por que você? Justo você? Eu só queria entender, ou melhor, me entender! Afinal, a culpa de tudo isso é exclusivamente minha. Por que fui inventar de me deixar levar? Por que não fugi, desviei, me escondi, desse sentimento fugitivo de um manicômio? Tola! Se me encantei, que o encanto se quebre já! Não quero uma história de amor que de amor só tem o nome. 


2 comentários:

  1. Lindo o texto, lindo mesmo! Adorei o blog ^.^
    OBS: Já estou seguindo.
    Beijos.

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Gabi! ♥
      Também sigo o seu ;)

      Beeeijos!

      Excluir

 

criado e codificado para o blog ficcionalmente real
cópia proibida © 2015