08/04/2014

Gaveta




 Sempre que começo um texto é comum, nas primeiras tentativas, eu me arrepender de cada linha que escrevi. Toda vez que isso acontece risco tudo e tento, outra vez, fazer nascer um novo parágrafo.
 Quando finalmente consigo colocar um ponto final numa história, esta vai para a tela do computador, e todos aqueles rascunhos para o fundo da gaveta. A verdade é que eu queria poder fazer isso contigo também. Guardar você lá no fundo da gaveta, junto com todas as minhas outras falhas, junto com tudo o que não me acrescenta mais. Queria guardar você no meio de toda a minha bagunça só para você parar de me bagunçar. É isso que as pessoas costumam fazer com aquilo que não precisam, mas acham que um dia podem sentir falta. Guardam para ter a liberdade de esquecer, porém, a segurança de sempre ter por perto.

 É uma pena eu não poder te guardar fora de mim, e ser obrigada a conviver diariamente com a tentativa frustrada de um romance. Com o rascunho de um amor que só eu escrevi.


4 comentários:

  1. Que lindo, Isa! E sabe que o que você escreveu é meio que o que eu estou sentindo? Pois é.
    Amei o texto!
    Beijos! <33
    www.blogmeuloucomundo.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que conseguiu se identificar, xará! :D

      Excluir
  2. Nossa, adorei! Parabéns ;)

    https://www.facebook.com/conversadecloset

    ResponderExcluir

 

criado e codificado para o blog ficcionalmente real
cópia proibida © 2015